Um Uruguai vendido

Nas imagens, vemos dois importantes intelectuais uruguaios, ambos já falecidos, que têm lugar de honra na história intelectual de seu país. O primeiro possui até uma fundação que leva seu nome, e ambos são autores de muitas publicações que denunciam a natureza maligna do “imperialismo” americano e do capitalismo em geral. Eles diziam-se socialistas, não comunistas. Possuíam uma mesma característica, além de se conhecerem e terem atuado no mesma época, eles foram agentes por um longo período e muito bem avaliados pelo serviço de inteligência comunista tchecoslovaco, o Diretorado I (Departamento I – inteligência no estrangeiro) da StB.

O primeiro, quando da desativação da rezidentura do serviço secreto tchecoslovaco no Uruguai, em 1977, a fim de que não fosse desperdiçado, foi entregue à inteligência soviética, a KGB. Logo, em vez de servir à Tchecoslováquia, este “patriota” socialista passou a responder diretamente a Moscou. Ou, ao menos era que se supunha que tivesse servido – de acordo com o registro na lista de verificação (documento da StB encontrado em sua pasta pessoal) -, pois foi passado aos soviéticos em 23 de setembro de 1978, mas veio a falecer em novembro de 1980 com apenas 58 anos de idade. Se realmente trabalhou para a KGB, não sabemos, e não podemos confirmar, mas, se isso aconteceu, não durou muito. No entanto, é certo que ele cooperou com o serviço de inteligência tchecoslovaco de 1964 a 1977. Foi agente por ininterruptos treze anos. E não só fornecia informações, mas também participava das operações chamadas medidas activas, i. e., realizou operações com as quais o serviço de inteligência comunista executava suas políticas de influência secreta no Uruguai. Em regra, a coisa se tratava de uma arma de publicar mentiras e manipulações propositais na imprensa ou em livros. Ou meias-verdades bem dosadas. Esse agente foi extremamente eficiente, e para a StB, também recrutou dois outros agentes – sua esposa e um amigo.

A imagem do segundo agente é composta por dois retratos seus. A da esquerda foi retirado da Internet, quando pesquisado seu nome e limitando os resultados da pesquisa apenas para imagens. Não foi possível encontrar uma fotografia bem feita desse homem. Ele trabalhou principalmente nos anos 60 e 70 do século passado, e não sendo uma pessoa famosa como um jogador de futebol ou um artista, a internet não nos ofereceu muitos resultados sobre sua pessoa. É por isso que acrescentamos ao lado dessa imagem da internet a que consta em sua pasta nos arquivos do serviço de Inteligência tchecoslovaco (imagem à direita). Novamente, neste caso, ele também foi um agente que foi recrutado para cooperar ( de forma consciente e remunerada) em 1966. Nove anos depois, a StB, “devido à sua condição mental”, não queria mais usá-lo ou manter contato. Como informado pelo agente do parágrafo anterior, em 1975, esse “ex-Secretário do Tesouro” começou a beber muito e perdeu o controle sobre suas ações. Durante o melhor período de cooperação com o Serviço de Inteligência de Praga, ele também foi assessor do Ministro das Finanças do Governo do Uruguai. Ele foi usado ativamente pela StB até 1972, então suas possibilidades na inteligência pioraram radicalmente, o que foi vinculado à agudização da crise política uruguaia. Ele perdeu seu emprego na capital, e rompeu com o Partido Socialista. Ele era um economista, autor de muitas publicações sobre o tema, um socialista de convicção, mas apenas até 1972.

Os arquivos sobre os agentes uruguaios que trabalharam para a inteligência tchecoslovaca da StB são intrigantes, muitos deles eram “políticos, ensaístas e legisladores” (é caso do homem que aparece na primeira foto), são pastas volumosas, o que significa que possuem uma ficha extensa de trabalho para o bloco pró-comunista. Como em muitos desses casos, tratam-se de pessoas muito conhecidas no Uruguai, entendemos que é necessário fazer esse adendo à sua biografia e dados oficiais, pois não encontramos nenhuma menção aos serviços prestados à Inteligência do bloco comunista. Em um futuro próximo, revelaremos mais sobre a vida desses agentes.

Vladimír Petrilák

Compartilhe:

4 thoughts on “Um Uruguai vendido

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *